7.7.11

even if you don't give a shit...

Reacções: 
Quebra este silêncio, ainda que com mentiras. Solta palavras cruas, nuas, despidas. Canta-me ao ouvido o refrão daquela música...bem, tu sabes. Faz-me massagens no corpo, toca-me no cabelo, suavemente, acaricia-me os vértices do físico, limpa-me as lágrimas sofredoras do rosto. Lágrimas genuínas, factuais. Presas num pretérito perfeito. Presas nos ponteiros do meu relógio de bolso. Aquele antigo, de colecção. O relógio do meu tempo. O relógio da minha própria vida. Morde o lóbulo da minha orelha, fecha-me os olhos com os teus dedos ásperos, secos. Entrelaça esses dedos nos meus, enrola-te, junto a mim. Passa as mãos pela minha face, as mãos de pele desidratada, desgrenhada. Leva-me, por uma semana, para uma ilha paradisíaca, onde esqueceremos, mais uma vez, o resto do Mundo. Arrasta-me deste sítio tão-gasto-sem-cor-e-sem-vida. Puxa-me por um braço e vem esquecer o tempo comigo. Vem desfazer-te das más memórias de um breve e fatal escape, dos compromissos, do presente. Vem desfazer-te dos nossos tempos mais antigos, comigo. Deixa o passado iminente, no seu lugar. Apaga-o, queima-o, anula-o. Vem fugir comigo, por uma módica semana, para que possamos retirar do espaço a história passada e criar uma nova. Vamos rastejar Mundo fora, deixando pegadas, espalhando sorrisos rasgados, abertos, honestos, inacabáveis. Vamos extinguir a dor! Vamos fazer promessas eternas e deixá-las, uma a uma, numa carta, dentro de um envelope, colada a uma estação de correios de uma cidade qualquer. Vamos pisar o chão de províncias distantes  e de locais simpáticos, acolhedores. Vamos cruzar-nos com gentes daqui e dali, vamos estabelecer laços fortes. Vamos percorrer o mapa, mudar os destinos, colar os pedaços de uma história acabada por promessas quebradas. Vamos tornar essas novas promessas inquebráveis. Vamos passar a rostos familiares e desconhecidos a mensagem de que o amor não tem limites e, desta vez, nós não iremos traçar nem escolher limites para ele. Vamos trocar as voltas ao amor, vamos imortalizá-lo!

Sem comentários:

Enviar um comentário